Roteiro de 3 dias em Quebec

by - quinta-feira, agosto 30, 2018

Quebec city é a capital da província de Quebec, a única do Canadá que tem como língua oficial o francês. É considerada uma das cidades mais bonitas e “européias” do país, com fortificações, um hotel que parece um castelo, um lindo rio e várias casinhas em estilo antigo.

Ficamos três dias na cidade e foi um tempo bom – ainda mais que, pra variar, pegamos um pouco de chuva. Neste período conseguimos conhecer todos os pontos básicos da cidade, tiramos um dia para ir de carro conhecer as atrações fora da cidade como a catarata de Montmorency e a ilha de Quebec, e ainda tivemos um dia que revisitamos os principais locais e pudemos conhecer a cidade 'além' do circuito turístico. Ou seja, foi um tempo bem aproveitado na cidade - mas é claro que sempre parece que faltou tempo para alguma coisinha.

Mesmo o francês sendo a língua oficial, na maior parte dos locais o inglês é muito bem aceito, sendo que tivemos apenas um pouquinho de dificuldade quando nos afastamos do centro turístico, mas a maioria das pessoas sabiam ao menos o básico de inglês para nos ajudar.
Ficamos hospedados ao lado do principal ponto turístico da cidade, que é o hotel (com cara de castelo) Château Frontenac. É uma localização muito boa pois o centro turístico de Quebéc não é muito grande e pudemos fazer tudo o que era dentro da cidade a pé. É claro que isso tem um preço, e as acomodações acabam sendo um pouquinho mais caras por ali, mas ainda acho vale bastante a pena. Falei um pouco sobre o hotel que ficamos no post principal do roteiro da viagem ao Canadá, então confere lá.

Dia 1 – conhecendo o básico

Aproveitamos o dia para fazer uma boa caminhada e conhecer os principais pontos turísticos da cidade. Como já estávamos ao lado do Château Frontenac, seguimos pelo calçadão (Terrasse Dufferin) até a subida para o forte. Lá fizemos o tour pela Citadella, a fortificação da cidade, para conhecer um pouco mais sobre a história da região. O tour é pago e guiado (em inglês ou francês),  dura em torno de uma hora e é a única forma de se conhecer a fortificação por dentro. Dependendo da época em que você estiver na cidade também poderá assistir a troca da guarda às 10h, que ocorre nos períodos mais quentes do ano. Mais informações sobre estas duas atrações podem ser obtidas no site oficial: La Citadelle. Achei o tour bem legal, serve para conhecer um pouco as curiosidades sobre as fortificações criadas e a (baixa) participação do Canadá em guerras.


Após o tour saímos caminhando pelo lado oposto de onde havíamos chegado, em direção aos muros da cidade antiga - e fomos por cima deles mesmo! Caminhamos até o St. John Gate e descemos para almoçar na região, escolhemos um dos vários restaurantes/bares que existem na Avenue Honoré-Mercier, que fica bem pertinho. Dali fomos caminhando até a parte baixa da cidade, e saímos próximo à estação de trem. É bem bonitinha por dentro e acho que vale uma passada rapidinho para umas fotos. Ah, como dica pegue um mapa para encontrar onde ficam os caminhos para chegar a parte baixa, pois as ruas as vezes são um pouco confusas e quase nenhuma é reta.
Dali fomos caminhando pela avenida até o mercado Marché du Vieux-Port. Seguindo esta mesma avenida, pouco mais a frente estará a entrada para a cidade baixa antiga, cheia de prédios bonitinhos. Nesse trecho também se encontra o Musée de la Civilisation, que na época tinha uma exposição do criador do Tintim – mas achamos a entrada cara e não fomos. Praticamente na frente no museu está a área do porto (Old Port), que tem uma vista bem bonita e é ótima para descansar um pouco. Depois seguimos para a parte baixa histórica, onde se localiza a Notre Dame antiga, o funicular (que não vale a pena pagar para subir/descer, a não ser que você tenha alguma dificuldade com escadas) e várias casinhas que parecem cenário de filme. Vale a pena se perder por ali, escolher um local para tomar um cafézinho, ver os murais pintados nas paredes (lindos e gigantescos!), entrar nas lojinhas... enfim, aproveitar esse que é um dos pedacinhos mais bonitinhos da cidade. 

Depois de aproveitar bem, voltamos para a cidade alta. Dá para subir com o bondinho/funicular para ou utilizar as escadas e a rua. Não é nada absurdo a subida, então guarde o precioso dinheiro para outras coisas e vá pelas escadas.

No jantar resolvemos já matar a curiosidade e provar o famoso poutine, prato típico da província de Quebéc. Bom, é literalmente batata-frita com queijo e um molho (tipo molho madeira/de carne), então não tem como dar errado mas... também não é o tipo de coisa que se pode chamar de 'prato típico' né? Comemos em uma rede de fast-food chamada Chez Ashton que havia ouvido falar bem - e vale para conhecer sem pagar muito.

Dia 2 – Montmorency Falls e Île d'Orleans

Dia de pegar o carro e visitar as atrações fora da cidade: Montmorency Falls (ou Parc de la Chute-Montmorency) e Île d'Orleans. Seguimos para esses dois passeios mesmo com a carinha de chuva que estava o tempo, mas o ideal é pegar um dia de sol.

Começando por Montmorency: o parque se localiza a aproximadamente 10 km de Quebec e possui um centro de visitantes, as cascatas e algumas atividades como bondinho e tirolesa. É um parque relativamente pequeno, que não exige mais que duas horas. Optamos por apenas caminhar pelo local, descer algumas escadas para ter um ângulo diferente de fotos (olha o tamanho da escada na foto abaixo!), sem fazer nada de 'extra' (como a tirolesa), então apenas tivemos que pagar o estacionamento. Pegamos uma chuvinha leve durante o passeio, o que acabou atrapalhando um pouco pois o local é todo aberto.

Dica importante: estacione na parte de cima para evitar subir e descer desnecessariamente – são muitas escadas! Ouvimos falar de um estacionamento 'público' (ou seja, grátis) na parte superior, mas não conseguimos encontrar. Mesmo assim, suas pernas vão agradecer se estacionar na parte superior.

Agora, entre nós... sendo 100% sincera, é um parque bonito, a cachoeira é bonita, mas depois de passar por Niágara, e conhecendo algumas cascatas aqui do sul (#bairrista), não é nada tãããão espetacular. O maior diferencial é a passarela que permite passar por cima dela, e de poder chegar bem próximo na parte inferior (caso esteja disposto a se molhar). Ou seja, vale a pena conhecer se você tiver três dias na cidade, mas se precisar pular alguma atração essa seria a minha dica.

Depois do parque fomos conhecer a Île d'Orleans (ou Ilha de Quebec), que fica do outro lado do rio.

Passeamos de carro até onde deu vontade (é uma ilha ENORME, são em torno de 30 km de extensão), e como o tempo já estava um pouco ruim acabamos não parando em nenhum local além do que escolhemos para o almoço. A ilha é bem rural e possui basicamente atrações gastronômicas: vinícolas, locais onde você pode colher suas frutas, chocolateria, queijaria, vários restaurantezinhos... enfim, é para quem gosta de conhecer locais assim! Almoçamos no Cassis Monna & Filles mas não conseguimos provar os pratos do dia pois o restaurante estava cheio com um grupo de turistas e não é um local muito grande. Conseguimos ficar no balcão e comemos uns sanduíches da casa, que eram maravilhosos. Na parte de baixo eles vendem os produtos – tudo feito com cassis – e dá para provar os vinhos (muito bons!). É um local que recomendo dar uma paradinha pois é bem diferente e tem umas coisas bem gostosas. Depois de abastecidos, voltamos para Quebec.

Se for como nós, você vai voltar para a cidade no meio/final da tarde. Aproveite para caminhar nas principais ruas turísticas da parte alta, como a Saint-Louis, a Saint-Jean e/ou ir caminhando até as Planícies de Abraão. Outro local legal de dar uma passada é ao lado da Prefeitura, na rua Sainte-Anne, onde tem uma pequena "fonte" com águas dançantes e iluminação (mas sem música). É pequeno, mas achamos um bom local para sentar e passar um tempinho olhando as águas.

Dica para quem gosta de marcadores: a Librairie Pantoute, na Saint-Jean, tem uma caixa de marcadores disponíveis e você pode pegar quantos quiser. Passei lá praticamente todos os dias em que estive em Quebec pois as vezes aparecia algum marcador novo. Tem muito marcador de livro que só foi publicado no Canadá, mas vale a pena dar uma olhada!

Dia 3 – Fora do circuito

No terceiro dia já tínhamos a impressão de ter conhecido boa parte da cidade, então não havia nenhum local específico que gostaríamos de ir. Como sou a louca dos marcadores, quis conhecer a outra livraria Pantoute que existe na cidade para ver se conseguia mais alguns - só que a outra era quase 4 km de onde estávamos hospedados e, spoiler, não vale a pena (pelos marcadores). Fomos caminhando pela rua St. John um bom pedaço e descemos no encontro das ruas Saint-Réal e Saint-Claire para uma área mais urbana da cidade. Foi nesse passeio que conhecemos a Biblioteca Claire-Martin, uma antiga igreja que hoje é a biblioteca municipal e passamos por baixo de alguns viadutos da cidade que tinham as colunas grafitadas, além de conhecer uma Quebec do dia-a-dia das pessoas, uma área com empresas e muita gente indo e voltando do trabalho. Depois fomos voltando para a região central, almoçamos na região da Petit Champlain e passeamos mais um pouco pela parte baixa da cidade - a mais bonitinha. Aproveitamos a subida para o hotel na volta para comprar as lembrancinhas - os preços são muito parecidos em várias lojas, mas achamos algumas lojinhas com uns imãs diferentes neste caminho entre a cidade baixa e a alta (mais um motivo para não ir de funicular!).

À noite resolvemos ir na região da Grand Allée (pertinho das Planícies de Abraão), que possui vários barzinhos, pubs e até alguns locais de festa - bem legal para ir a noite. Jantamos no Le Pot de Vin, um restaurante/bar com algumas comidas boas e um preço interessante. Aproveite a noite e termine a visita no Terrasse Dufferin, aproveitando a vista do Château Frontenac e do rio São Lourenço.

Algumas coisas que não fizemos

Conforme comentei no início desse post, fizemos todo o básico e acredito que conseguimos aproveitar bem a cidade. De qualquer forma, segue mais algumas dicas de atividades que não fizemos ou locais que não conhecemos, mas que podem ser interessantes também:
  • Passeio de barco pelo rio São Lourenço
  • La Promenade Samuel-De Champlain: calçadão próximo ao rio São Lourenço, um pouco mais afastado do centro turístico
  • Parc de la Plage-Jacques-Cartier: parque, também um pouco mais afastado do centro turístico 
  • Aquarium

You May Also Like

1 comentários

  1. Que lugar lindo, quero conhecer :)

    http://submersa-em-palavras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir