Roteiro de 2 dias em Ottawa

by - quarta-feira, abril 04, 2018

Dizem que é errando que se aprende, e Ottawa foi para nós uma ótima lição de como o pouco planejamento pode atrapalhar uma viagem curta. Então nesse post vou dividir um pouco da nossa experiência na e aprendizados com vocês.

Ottawa é a capital do Canadá e quarta maior cidade do país. Fica localizada na província de Ontário, bem na divisa com a província de Quebec, e possui duas línguas oficiais: inglês e francês. A região metropolitana é chamada de Ottawa-Gatineau, sendo que Gatineau é a cidade na província de Quebec logo do outro lado do rio Ottawa, que divide as cidades. Foi a quarta cidade que conhecemos na nossa viagem de 17 dias pelo Canadá, no caminho entre Niagara Falls/Niagara-on-the-lake e Quebec. No post principal da viagem comento um pouco sobre o hotel que nos hospedamos, o The Bussiness Inn (com a maior TV que já vi!).
Apesar de ser a capital, não é uma cidade muito grande em termos de turismo e as atrações ficam concentradas basicamente em duas regiões muito próximas, então dois dias são suficientes para conhecer o principal. 

Nossa experiência

Como comentei, cometemos alguns erros e tivemos um pouco de azar. Reservamos os dois dias recomendados para a cidade porém um deles foi inteiro de chuva, o que atrapalhou bastante pois a maioria dos locais interessantes são ao ar-livre. Também cometemos alguns erros de planejamento por não buscar com antecedência os horários de algumas atrações principais e acabar com o único dia de sol muito quebrado nos horários. Enfim, saímos da cidade com a impressão de ter visto tudo mas não termos aproveitado direito, sabe?


Dia 1 (Parlamento, ByWard, Sparks Street, Canal Rideau)

No primeiro dia, acorde cedinho e vá para a fila dos ingressos para fazer o tour pelo Parlamento (Parliament Hill). O tour é gratuito e os tickets começam a ser distribuídos as 09:00 horas em um prédio bem na frente do parlamento, no endereço 90 Wellington Street, e são distribuídos apenas tickets para o mesmo dia - ou seja, se acabarem terá que voltar no próximo. Esse foi o nosso primeiro erro: acabamos chegando um pouco mais tarde (próximo das 10:00), a fila estava bem grandinha e os tickets para o tour completo esgotaram, então tivemos que fazê-lo em duas partes (o que quebrou o dia). Conseguimos ingressos para o horário entre 11:00 e 12:00 para conhecer a torre da paz e o memorial (sem tour guiado, apenas por conta) e para as 16:00 para o tour guiado no restante do Parlamento. Existem restrições de tamanho dos volumes com os quais você pode entrar (confira no site oficial os tamanhos permitidos) então tivemos que deixar uma mochila no guarda-volumes (também de graça) que fica no mesmo local onde se adquirem os ingressos.

A Torre da Paz é a torre principal e mais alta do Parlamento, essa que se destaca na foto abaixo. O elevador leva até uma sala que fica logo abaixo do relógio, que não é muito grande mas dá uma vista panorâmica da cidade como nenhum outro ponto. É desse local que tirei a primeira foto que ilustra esse post. O memorial é bonito, mas sem o tour guiado acabou perdendo um pouco a graça. No horário que fomos acabamos demorando bastante para conseguir subir na torre (mais de meia hora) além de existirem pedaços da fila que estavam muito desorganizados e sem orientação em um espaço amplo, então as pessoas acabavam fazendo outras "filas" por fora. Digamos que não foi uma experiência muito canadense
Após o este primeiro tour fomos conhecer e almoçar na região ByWard Market, um local cheio de restaurantes, bares e lojas, além de uma feira que funciona durante o dia - dá vontade de comprar várias cestinhas de frutas vermelhas para ir beliscando durante o dia. Mas antes de chegar lá você já vai cruzar pelo Canal Rideau, o canal que corta a cidade e detém o recorde de maior pista de patinação no gelo natural do mundo (no inverno, claro). Vale algumas fotos e uma paradinha para ver o funcionamento das eclusas se algum barco estiver passando - senão deixe para outra hora, você vai acabar passando na região mais vezes.
Voltando a falar da região ByWard, escolhemos um dos inúmeros pubs para almoçar (esqueci o nome, mas não tinha nada de especial), aproveitando para conhecer uma cerveja local. Também foi nessa região foi onde encontrei uma livraria onde dava para pegar vários marcadores - se você gosta, fica a dica: é a livraria francesa Libraire du Soleil, que se localiza bem próxima de um totem indígena ;)

Após o almoço tivemos que voltar para o Parlamento para - novamente - largar a mochila e esperar a chamada para o tour. É importante ficar atento e chegar um pouco antes do horário pois, como os tours são guiados, os guias chamam os grupos pelos horários e se não estiver lá na hora, perdeu.

A visita ao Parlamento é muito interessante pois é o momento de aprender um pouco sobre a história e o funcionamento da política canadense, parlamentarista. Contudo a minha parte favorita foi a biblioteca, uma das poucas áreas originais ainda em madeira que sobreviveu a um grande incêndio ocorrido em 1916. É linda, com uma grande estátua da Rainha Vitória no centro e estantes cheias de detalhes - uma pena que não dê para passear livremente por ali, ficamos só na entradinha.
Após concluir o tour, que levou em torno de uma hora (lembrando que fizemos o memorial e a torre antes), aproveitamos para voltar pela Sparks Street, uma rua apenas para pedestres que fica bem próxima do Parlamento. Ela é ótima para passear sem pressa, cheia de restaurantes e lojinhas. Dependendo do horário é um bom local para tomar um café da tarde (ou só pegar um donut no Tim Hortons). Ali também estava ocorrendo uma exposição chamada Kontinuum, na obra que futuramente será o metrô. Como também era necessário pegar ficha para entrar, deixamos para o dia seguinte que - infelizmente - tinha previsão de chuva.

Voltamos ao hotel para se arrumar, sair para jantar e ficarmos prontos para assistir o Northerns Lights, uma apresentação com músicas e projeções no parlamento contando a história canadense. É imperdível e emocionante, é incrível ver a diferença da história canadense comparada com a maioria dos países que tiveram que lutar por sua independência. Impossível não fazer um paralelo com a tristeza e o retrocesso que anda o nosso Brasil nos últimos anos também. Lindo, mas a gente acaba saindo um pouco triste por não ter a mesma visão de igualdade e paz que se projeta no Canadá. A história é contada em inglês e francês.

Dia 2 (Sparks Street, Galeria Nacional e Notre Dame)

Como falei antes, nosso segundo dia foi de chuva do início ao fim (bléhhh), mas nem por isso deixamos de sair. Aproveitamos o vazio da Sparks Street para tirar foto no letreiro com o nome da cidade e visitar a exposição Kontinuum (encerrada em 14/09/17). Considerando a chuva optamos por almoçar no Rideau Centre, um shopping que fica praticamente na frente da região ByWard.  Shoppings são meio iguais ao redor do mundo mas são sempre uma boa opção para uma encontrar uma comida barata e se proteger um pouco. Depois fomos conhecer a Galeria Nacional do Canadá.

O que posso dizer é a Galeria é muito bonita e enorme, com vários quadros, obras e exposições interessantes. Algumas áreas são especialmente legais, com destaque para a sala que possui uma capela inteira. A capela Rideau iria ser destruída mas conseguiram trazer ela para dentro do museu, completa - incrível. Contudo, se não estivesse chovendo (e tendo apenas estes dois dias de roteiro), preferia ter aproveitado mais a rua: passear pela colina do parlamento, pelo canal, conhecer mais algum bar no ByWard, enfim, conhecer e vivenciar mais a cidade. Sempre gosto de visitar pelo menos um museu quando viajamos, mas por mais lindo que seja existem muitas áreas que dão a impressão de "já vi isso antes" - em especial aquelas salas cheias de quadros - e o museu escolhido dessa viagem foi o de Toronto. Então recomendo a ida apenas se: você for muito fã de galerias de arte, ou tiver mais de dois dias na cidade, ou pegar um dia de chuva, ou se estiver com tempo em algum dia/horário em que a visitação é gratuita (confere aqui no site oficial).
Na saída cometemos o segundo erro: a catedral Notre Dame fica bem em frente a Galeria, e saímos dele com a intenção de conhecê-la mas... chegamos bem no horário da missa, onde se pede para que não sejam tiradas fotos, em respeito aos fiéis. Foi uma pena porque acabamos sem a recordação, mas ao menos pudemos conhecer a igreja por dentro. Para não cometer o mesmo erro que nós, consulte os horários das missas no site oficial.

Voltamos passeando pelos jardins e pela colina, que dá uma vista bem bonita do parlamento, e depois descemos o canal para tirar algumas fotos - teria sido um passeio bem melhor aproveitado sem chuva, mas fazer o quê?
E assim acabamos nosso passeio por Ottawa. Se você estiver planejando uma viagem para lá, desejo um pouco mais de sorte com o tempo e não esqueça de conferir os horários das atrações direitinho para não ficar perdendo tempo desnecessário ;)
Tenha sempre uma boa capa de chuva para os imprevistos!

You May Also Like

0 comentários