quarta-feira, janeiro 13, 2016

Resenha: Half Bad (Trilogia Half Bad)

. .


Sinopse: Nathan, filho de uma bruxa da Luz com o mais poderoso e cruel bruxo das Sombras. O adolescente vive com a avó e os meios-irmãos e é visto como uma aberração por seus pares. O Conselho dos Bruxos da Luz vê nele uma ameaça, que precisa ser domada ou exterminada. Prestes a completar dezessete anos – época em que todos os bruxos passam por uma cerimônia em que seu dom é finalmente revelado bem, como sua denominação como bruxo da Luz ou das Sombras –, agora Nathan terá que correr contra o tempo para achar o pai, que jamais teve oportunidade de conhecer, e salvar a própria pele.
"O truque é não se importar. Não se importar com a dor, não se importar com nada.
O truque de não se importar é fundamental. É o único truque da cidade. Só que não é uma cidade. É uma jaula ao lado de uma cabana, cercada por vários morros, árvores e céu." (pág. 14)
Half Bad é o primeiro livro da trilogia de mesmo nome, da autora Sally Green. A série também é conhecida como "Meia Vida" por alguns sites.

Sabe uma sensação de déjà-vu? Foi assim que me senti por boa parte do livro. A história não é ruim, mas parece que não traz nenhuma novidade em relação a outras similares já escritas. O garoto é filho de uma bruxa do bem com um bruxo do mal, o que faz dele uma pessoa especial no mundo, o Conselho o persegue, tem uma cerimônia aos dezessete anos para descobrir de que lado estará (luz/sombra), bruxos vivendo com os não-bruxos (aqui chamados de félix) e precisando esconder seus dons... acredito que você também consiga pensar em algumas histórias com esses itens.

O livro é dividido em seis partes, pelo fase em que se desenrolam. Os capítulos em geral são bem curtos, alguns com apenas uma ou duas páginas, contudo ao invés dessa característica dar dinamismo à história, acabou deixando-a superficial. Isso é mais evidente em cenas de violência (algumas narradas de forma bem explícita) onde tudo o que aconteceu até chegar a esse ponto foi contado de forma tão "simples" que acabamos não nos envolvendo tanto com o protagonista a ponto de sentirmos realmente pena. E olha que ele sofre!

O livro tem alguns pontos altos, e em sua maioria as cenas em que Nathan está preso em uma cela são bem interessantes. Nisso ele consegue trazer alguma diferença em relação a outros livros jovens pois demonstra um pouco mais o sofrimento de um cárcere. A forma como o personagem reage a essa e outras violências também o torna interessante, algo que poderia ter sido melhor trabalhado. Arran, o irmão mais novo de Nathan, também é um personagem interessante, inteligente, e tenho a impressão de que terá um papel maior na história.
"Admito que é difícil gostar dela, mas às vezes consigo. Nós conversamos. Ela não é o que eu esperava. Acho que também não sou o que ela esperava." (pág. 124)
A primeira parte do livro é narrada em segunda pessoa e, por ser o primeiro livro no qual me deparo com isso, achei um pouco estranho. A narração em segunda pessoa é quando o autor tenta passar a sensação de que você é parte do livro. Um trecho de exemplo: "Você está tonto. Não é de espantar que desmaie, que caia de joelhos. Ela o segura pelas axilas, mas com a mão esquerda, que não está machucada, você encontra o cabo e puxa a faca da bota enquanto ela sustenta seu peso morto." (pág. 24). Dou os créditos a autora pela inovação, mas no início é bem estranho para quem não está acostumado. Da parte dois em diante a narração segue em primeira pessoa normalmente.

Considerando tudo, ainda tenho dúvidas se vou acompanhar a série. Não considero que seja um livro ruim, apenas mais do mesmo e, na minha opinião, pouco cativante. É uma leitura fácil e talvez agrade os mais novos, mas para mim faltou algo a mais.
2/5 - Regular
Mais informações:
Half bad (Half Bad #1)
Título original: Half Bad
Autora: Sally Green
Editora: Intrínseca (Site | Twitter | Facebook)
Páginas: 304
Links: Skoob | Goodreads 

7 comentários:

  1. Não sou adepta a séries, não consigo ficar esperando continuação. Diferente de você eu já gosto de estilo diferentes na narração.
    Mas ainda acho que essa não seria minha leitura se pudesse escolher.
    Beijo

    www.tecontopoesia.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho tentado evitar um pouco as séries também, mas parece que de cada 10 livros que lançam 9 são de série! rs

      Excluir
  2. Helloo, tudo numa nice?
    Eu li esse livro no fim do ano passado devido a uma recomendação e como eu já queria ler antes decidi conferir. Concordo com você com todos os pontos, apesar de eu já ter lido livros em segunda pessoa eu achei um pouquinho estranho no início até que por fim me acostumei com essas partes do livro.
    Achei que o livro ficava muito no vamos ver e nada. Só se falava de Marcus, mas a autora nem explorou quando ele apareceu. O livro não é ruim, só tem muito do mesmo e alguns rumos que a autora foi tomando me deixou um pouco irritada e nem foi surpreendente. Comecei a leitura do segundo, mas infelizmente abandonei. A leitura não era o que eu estava esperando e decidi não continuar.
    Ótima resenha!
    Beijin...
    Pieces of Alana Gabriela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, essa parte em que apareceu o Marcus achei tão... "nhé". Podia ter bem mais ação! Uma pena que abandonou o segundo, ainda estava em dúvida se melhorava mas parece que não então :/

      Excluir
  3. Achei a história bem cliché, acho que eu não leria o livro. Não gosto muito de livros de bruxos.

    Beijos,
    Natália
    www.doprefacioaoepilogo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu também iria estranhar bastante um livro em 2º pessoa. Me incomoda muito capítulos superficiais, a gente acaba não conseguindo participar da história, né? Se envolver com a trajetória dos personagens é muitíssimo importante para eu gostar ou não de um livro :)
    Colorindo Nuvens

    ResponderExcluir
  5. Tami!
    O problema dos livros com o tema são esse: temos a impressão que já lemos.
    Como gosto do tema bruxaria, daria uma oportunidade ao livro.
    E também estranhei o livro ter uma parte em 2ª pessoa, raríssimo de encontrar e bem estranho mesmo.
    “Geralmente aqueles que sabem pouco falam muito e aqueles que sabem muito falam pouco.” (Jean-Jacques Rousseau)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir