quarta-feira, junho 17, 2015

Resenha: Uma história de amor e toc

. .


Bea está em uma festa quando todas as luzes se apagam. Enquanto muitos se apavoram ela encontra Beck, um garoto prestes a ter um ataque de pânico. Ela tenta ajudá-lo e eles acabam se beijando, antes dele simplesmente sair correndo. Algum tempo depois, ao iniciar uma terapia em grupo sugeria por sua terapeuta Dra. Pat, Bea acaba encontrando como colega Beck, e descobre que ambos terão que superar seus transtornos caso queiram ficar juntos.
"Para minha sorte, não entro em pânico em espaços pequenos e escuros ou qualquer coisa parecida. Sou um tipo diferente de louca." (pág. 7, primeiras linhas)
Toda a história é contada pela Bea, então muitas vezes a personagem se convence - e nos convence - de que tudo o que está fazendo é perfeitamente normal ou inofensivo, como chegar mais cedo nas consultas para conseguir ouvir as conversas do casal que é atendido antes. Bea tem muitos problemas, como pânico ao dirigir um carro e ter que ficar voltando ao mesmo lugar para conferiu se não atropelou ninguém, e perseguir caras para saber tudo da sua vida. Já Beck é excessivamente viciado em malhação e em limpeza, e tudo o que ele faz tem que ser repetido oito vezes. Gostaria de ter visto um pouco do ponto de vista dele na história.

No início confesso que demorei um pouco até que o livro realmente prendesse atenção. Parece que Bea não é tão doida (devido à narração ser pelo ponto de vista dela), e o romance dos dois vai tão devagar que não parecem apaixonados - realmente não sei se estão! Mas com o tempo vamos entendendo a angústia da personagem, seus gatilhos que a levaram à terapia, os problemas de seus outros amigos e vamos nos afeiçoando.
"Porque não há nada, nada pior do que não ser capaz de desfazer os pensamentos loucos. Peço-lhes para sair, mas eles não vão. Tento ignorá-los, mas a única coisa que funciona é ceder." (pág. 137)
A escrita é simples e é fácil de acompanhar a história. Porém alguns trechos poderiam ter sido melhor trabalhados. Em um dado momento a amiga de Bea se transforma completamente e a autora dá poucos motivos para isso, além da mudança de atitude de outros personagens que acabam acontecendo de forma meio rápida demais para o ritmo em que as coisas estavam indo. Do pouco que conheço sobre TOC, a autora usou a doença de forma um pouco superficial (os pais de Bea são muito ausentes, parecem que não dão importância por exemplo), mas acredito que soube passar bem a angústia da personagem frente as situações, principalmente quando está tentando provar para si mesma que "não é nada demais". Nesses momentos é que o livro ganha força.
Capa brasileira / capa original
Batalha difícil entre as capas, achei as duas muito legais mesmo. Bem jovens, passando de forma correta o tipo de história que deve se esperar do livro. Contudo fiquei bem chateada ao encontrar um série de erros de revisão nesta edição. São parênteses que surgem do nada, palavras escritas erradas (como "ponte" ao invés de "ponto") e pedaços de frase que parecem mal formados ou traduzidos. Acredito que o livro mereça uma segunda versão com menos desses errinhos, que vão incomodando a leitura.

Gostei da história, foi um livro bem fácil de ser lido e tem uma história bem tranquila. É uma história de amor, mas pareceu muito mais como uma amizade entre Bea e Beck, que tentam juntos compreender e superar seus problemas. Gostaria de ter visto mais os dois dialogando sobre isso, mas para um livro jovem, onde os assuntos não costumam ser muito aprofundados, está bom. Quem gosta de histórias mais leves, com um pouquinho de romance, certamente vai gostar.
3/5 - Gostei
Você pode gostar se também gostou de: Desejos
Mais informações:
Uma história de amor e toc
Título original: OCD Love Story
Autora: Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record (Site | Twitter | Facebook)
Páginas: 320
Links: Skoob | Goodreads

4 comentários:

  1. Olá Tami ^^ Eu tenho Síndrome do Pânico e posso dizer por mim mesma que não é algo fácil...é uma situação tão desesperadora que o que mais precisamos é apoio. Gostei da temática do livro e é uma história que eu leria mesmo sendo tratada de maneira mais leve. É sempre bom saber como é para os outros...

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tami!
    Eu me interessei por esse romance justamente por abordar o TOC, mas agora temo me decepcionar com sua opinião de que parece que a autora foi superficial. Uma pena que personagens pareçam mudar de repente e que a revisão deixou a desejar… Mas, apesar de tudo isso, o enredo em si parece valer a leitura. Não é fácil encontrar uma história com personagens que tenham essa limitação. Mantenho minha decisão de lê-la.
    Entre as capas, gostei mais da estrangeira. A nossa ficou muito escura, não sei.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Já havia lido algumas resenhas de Uma História de Amor e TOC e isso meio que fez com que eu não esperasse grande coisa do livro, apenas o necessário para uma boa leitura, mais devo confessar que A edição da Galera Record ficou incrível. :D

    ResponderExcluir
  4. Já havia lido várias resenhas do livro e todas elas eram bastante positivas. Posso dizer que, além da capa linda e muito significativa, a sinopse e o tema central da história me atraem muito, e instigam a minha curiosidade pelo livro. Gosto de temas que façam o leitor repensar seus conceitos sobre os mais diversos assuntos, e este me parece um daqueles livros que sempre te deixam algo para levar para a vida depois da leitura concluída.

    ResponderExcluir