sábado, março 21, 2015

Resenha: Graffiti Moon

. .


No dia em que Lucy e suas amigas vão comemorar o último dia de ensino médio ela está decidida a encontrar o Sombra, um grafiteiro que nunca conheceu pessoalmente mas pelo qual é obcecada. O que ela não sabe é que acabará passando a noite com Ed, um garoto que ela já teve um encontro e que acabou quando ela lhe deu um soco no nariz. E o que deveria ser a noite mais estranha da sua vida acaba se tornando algo surpreendente.
"Pedalo depressa. Descendo a avenida Rose, onde casas nadam nas piscinas de luz laranja dos postes. Onde pessoas sentam nas varandas para tomar um ar. Tenho que chegar a tempo. Por favor, tenho que chegar a tempo." (primeiras linhas, pág. 7)
Os capítulos intercalam a narração de Lucy e Ed, com algumas poesias do Poeta (grande amigo de Ed) entre alguns capítulos. É uma história bem intimista e temporalmente curta já que se passa em apenas uma noite, apesar de apresentar também flashbacks de histórias passadas. Quando se para para pensar em tudo o que acontece na história, são muitos acontecimentos para apenas uma noite!

É fácil de se conectar com os personagens. O romance de Lucy e Ed vai se desenrolando aos poucos, não soa forçado e nos vemos torcendo pelos dois. Um personagem que ganhou meu coração foi Bert, dono do local onde Ed trabalhou após sair do colégio e se tornou quase como um pai para o menino. Ele mostra a importância de acreditar nas pessoas que muitas vezes deixaram de acreditar em si. 
Capa brasileira / capa original
Gosto de ambas as capas, mas novamente a brasileira me ganhou. Achei uma opção ousada da editora manter o título original, porém realmente soa melhor do que "Lua de Grafite". A edição está boa, com pequenos detalhes em estilo grafitado nos nomes dos personagens e números das páginas. Não encontrei problemas de revisão.
"Vá para casa agora, eu penso. Vá para casa e esqueça de mim e do Sombra. Vá para casa e sente na frente da TV, levante de manhã, coloque lembranças dentro de vidros e vá para a faculdade. Mas então ela sorri, e eu penso em me sentar perto dela." (pág. 185)
É um romance leve que traz como principal diferencial o ambiente das artes de rua. Alguns personagens já passaram por uma série de acontecimentos que os fizeram amadurecer mais cedo, então apesar de ser uma história jovem os personagens não são infantilizados. É um livro rápido de ler, gostei da história apesar de não achá-la inesquecível. É uma boa dica para quem gosta de romances mais leves e está procurando algo para distrair.
3/5 - Gostei
Mais informações:
Graffiti Moon
Título original: Graffiti Moon
Autora: Cath Crowley
Editora: Valentina (Site | Twitter | Facebook)
Páginas: 240
Links: Skoob | Goodreads 

3 comentários:

  1. Oi Tami, tudo bem?
    Tenho bastante curiosidade de ler esse livro, acho a sinopse dele diferente, assim como a capa e espero poder adquiri-lo logo logo e realmente, o título ficou melhor sendo em inglês mesmo rs.
    Beijos,
    Andy - StarBooks

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tami! Ainda bem que publicaram com o nome original, né? Acho assim ficou muito melhor. Com relação à imagem, prefiro a original.
    Bom, a história me chamou a atenção. Desde que li uma outra resenha sobre o livro fiquei com vontade de lê-lo. Acredito que seja uma história bem bacana, que como você mesma disse, traz um ambiente diferente, que poucos livros mostram, que é o das ruas.

    ResponderExcluir
  3. Oi Tami,
    não sei, apesar de eu gostar de romances a trama desde livro não me agrada em nada, e essa capa, também não me agradou muito ;x
    vi muita gente falando que o livro é bom e tal, mas não me deixou interessada...

    ResponderExcluir