quarta-feira, fevereiro 25, 2015

Resenha: Para sempre Alice

. .


Alice é uma professora e pesquisadora de sucesso em Harvard. Ela sabe tudo na ponta da língua e se orgulha de saber referências bibliográficas mais do que qualquer outro professor. Mas aos poucos começa a esquecer algumas coisas, inicialmente pequenas como uma palavra, onde guardou algumas coisas, um compromisso. Até que resolve ir em um médico e seus piores temores se confirmam: ela é diagnosticada com o Mal de Alzheimer de instalação precoce. Abalada sabendo o quanto seu mundo vai mudar, Alice e sua família tentam se adaptar para o que está por vir.
"Alice sentou-se à escrivaninha no quarto do casal, distraída pelos sons de John correndo por todos os cômodos do térreo. Ela precisava terminar sua revisão de um artigo submetido ao Journal of Cognitive Psychology antes de pegar o avião, e acabara de ler a mesma frase três vezes, sem compreendê-la." (primeiras linhas, pág. 9)
Antes da resenha, um pouco de explicação para quem não sabe muito sobre a doença. Alzheimer é uma doença neuro-degenerativa, ou seja, aos poucos os neurônios da pessoa vão morrendo. Isso significa que ela começa a esquecer coisas, inicialmente pequenas, passando por pessoas da família (marido/mulher, filhos, todos), sobre seus hábitos (comer, dormir), até chegar ao ponto de ser totalmente dependente, não conseguindo se alimentar sozinha, levantar, caminhar ou ter qualquer tipo de autonomia. Ninguém morre de Alzheimer, mas o fato da pessoa ser completamente dependente obviamente a deixa mais vulnerável. É uma doença de causa ainda desconhecida e sem cura, que afeta tanto o paciente quanto seus familiares. Conseguem imaginar a dor que é olhar para alguém com quem você conviveu por 30, 40, 50 anos e a pessoa não ter ideia de quem você é?

Tinha muito receio de ser um livro romanceado, mas quando vi que a autora era ph.D. em neurociência e escrevia uma coluna virtual para a Associação Nacional de Alzheimer sabia que não podia ser ruim. A doença é algo bem pessoal para mim porque meu avô a teve e, por isso, tenho poucas lembranças dele bem ou lembrando que eu era sua neta. Então tinha expectativas (e receios!) bem altos.

E o livro não decepciona. Contado em primeira pessoa, ele não enrola e desde as primeiras páginas Alice já começa a apresentar problemas de memória e vamos acompanhando a angústia da personagem. A doença também é bem explicada no livro, como é feito o seu diagnóstico, acompanhamento e outras informações. E o mais importante de tudo: a história é realista. Não é aquela coisa de "ah, ela está doente mas nunca vai esquecer o grande amor da sua vida" e coisas do gênero. A personagem esquece, sofre e pelos seus olhos vemos o sofrimento, a negação em relação a doença que seus parentes tem e a dificuldade que outros tem de conversar normalmente com ela.
Capa brasileira / capa original
Tanto no Brasil quanto nos EUA o livro já tem outras edições com capas diferentes, mas resolvi comparar as primeiras edições (como sempre faço). Neste caso, gosto mais da capa brasileira apesar de gostar do efeito da borboleta ir sumindo na capa original. A edição da Nova Fronteira está bem boa, com a diagramação simples, sempre uma borboletinha nas páginas e no início de capítulos e não encontrei problemas no texto. 
"Sabia que a anomia, uma espécie patológica do "ficar com as palavras na ponta da língua", era outro sintoma característico. E sabia que, um dia, olharia para o marido, os filhos e os colegas, para os rostos que havia conhecido e amado durante a vida inteira e não os reconheceria." (pág. 75)
É um romance muito bonito, que não se apressa a contar a história mas ao mesmo tempo que não é cansativo. Como disse, não sei se é pelo assunto ter um significado especial para mim mas realmente gostei muito da história. Dia 12 de março o filme será lançado no Brasil e tenho boas expectativas para ele, ainda mais depois do Oscar de Melhor Atriz para Julianne Moore, que interpreta Alice. Para quem procura um romance maduro e tem interesse em conhecer um pouco sobre esse triste mundo, é uma leitura mais do que recomendada.
5/5 - Adorei!
Mais informações:
Para sempre Alice
Título original: Still Alice
Autora: Lisa Genova
Editora: Nova Fronteira (Site | Twitter | Facebook)
Páginas: 283
Links: Skoob | Goodreads

7 comentários:

  1. Eu estou ansiosa para ver o filme e quero muito ler o livro também. Resenha excelente a tua, só me deixou mais curiosa! :*
    www.moniitorando.com

    ResponderExcluir
  2. Assisti ao filme e fiquei apaixonada, quero muito ler o livro e depois dessa resenha eu PRECISO comprá-lo.
    Tudo que Motiva

    ResponderExcluir
  3. eu vi o trailer do filme, mas não sabia que era baseado em um livro :O
    que trama linda... incrível! fiquei mega curiosa, e ver que a autora intende mesmo do assunto com certeza vai transformar a trama beem mais incrível

    ResponderExcluir
  4. Oi, Tami! Sempre via o pessoal adicionando esse livro ao Skoob, mas nunca tinha me interessado até ver um pequeno resumo do filme. Então pensei: "preciso ler esse livro". É um tema bastante sensível. Não deve mesmo ser nada fácil alguém que você ama, que passou a vida toda ao seu lado sem lembrar quem você é. Sinto muito por você ter passado por isso!
    Um ponto muito importante é a história ser realista. Acho que cai bem melhor em uma história assim do que algo tão romanceado que parece que nunca vai acontecer, só em livros. Sendo que esse é um problema real. Quero mais ainda que antes lê-lo! :)

    Ah, Tami. Onde tem mais informações, você trocou o título original e a autora. Dá uma olhadinha. ^^

    Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa, obrigada pelo aviso! Já arrumei :)
      Infelizmente é uma coisa que muitos passam, como eu era pequena na maior parte da doença não me abalou tanto mas para a minha mãe e minha vó foi bem pesado. Mas espero que consiga o livro e que goste também ^^

      Excluir
  5. Conheço o livro há algum tempo, mas com tantos tinha me esquecido completamente dele. Não sabia que a autora tinha ph.D no assunto então pelo menos sabemos que ela sabe o que está dizendo. Acho que de todas as doenças que existem essa é a mais triste por você perder tudo o que é importante :\ Enfim, adorei a resenha.

    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Vim ler sua resenha principalmente por ter muita vontade de ver o filme, já que Julianne Moore ganhou o Oscar por ele. Bom saber que o livro não decepciona. Quero lê-lo, com certeza. Graças a Deus, nunca passei por isso na minha família, mas imagino quão difícil deve ser, principalmente para o cônjuge :(

    Clara
    @clarabsantos
    clarabeatrizsantos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir