quarta-feira, fevereiro 19, 2014

Resenha: Como dizer adeus em robô

. .


"Goebbels se materializou no pátio dos fundos, logo antes de nos mudarmos para Baltimore, e começou a roer o sofazinho de vime. Achamos que era um fugitivo da casa de um dos vizinhos, provavelmente dos Flanagan, à duas portas de distância. Os Flanagan tinham muitos animais de estimação, e os pais fingiam que não viam enquanto os filhos, Pat e Paul, os alimentavam com várias comidas que animais não devem comer, como bolinhos recheados e Pop Rocks e aí os faziam correr para ver como a comida afetava seu desempenho." (pág. 9, primeiras linhas)
Um livro singelo, é o que posso dizer. Não sabia muito o que esperar da história e fui surpreendida com uma história linda e simples sobre amizade, amor, cumplicidade. Sobre um sentimento ainda mais profundo e ao mesmo tempo simples que isso.  

Bea e Jonah são jovens com problemas. Bea está mudando de cidade, sua mãe está depressiva e o pai parece não fazer nada. Jonah perdeu a mãe e o irmão gêmeo em um acidente, e apesar de morar com o pai o mesmo é ausente. Desde a 3ª série ele é considerado um "garoto fantasma" no colégio, devido a sua aparência e atitude, mas não se importa com isso. Bea cria outros amigos no novo colégio, mas Jonah é especial. Eles acabam formando uma grande amizade que divide gostos em comum, entre eles a adoração por um programa de rádio que passa na madrugada. E juntos vão tentar superar seus problemas.

O início confesso que me confundiu um pouco pois a garota ficava falando que não tinha sentimentos. Como assim não tem sentimentos? Não sabia se ela possuía alguma doença que a fazia não entender as coisas, ou algo assim. Mas com o tempo o livro "se explicou", e o robô do título começou a ter sentido. 

O livro realmente me surpreendeu. É uma história simples, doce e especialmente inocente. Os personagens são tão queridos, comuns e ao mesmo tempo complexos que dá vontade de entrar na história para conseguir resolver os problemas. As narrações dos programas de rádio são tão divertidas, e seus espectadores tão bons  personagens também que saímos do livro com a vontade de achar um programa assim para escutar e dividir a solidão.

É uma história muito gostosa de se ler, e emocionante. A forma como conseguimos entender e nos conectar com os personagens é ótima. Apesar de ser narrado por Bea, é como se conseguíssemos entrar na cabeça de todos e entender suas motivações. Uma narrativa cheia de sentimentos, com cenas muito tristes e complexas e outras leves e engraçadas. No fundo, creio que o assunto principal do livro seja a solidão e a forma como as pessoas buscam fugir disso. Parece um tema pesado mas é tratado de forma delicada então pode ser lido por pessoas de qualquer idade, apesar do foco jovem.
"Bem-vindo ao mundo adulto, benzinho. É solitário, é triste, e Deus o ajude. Mas há bons momentos, e noites como esta são um deles." (pág. 245)
A diagramação do livro ficou muito bonita. A capa simples em preto com o telefone em relevo ficou extremamente melhor do que a capa original, que é toda rosa. Os capítulos e o nome dos participantes do programa de rádio também são em rosa, além de algumas páginas específicas para nos ambientar na passagem dos meses, e isso deixou o livro bem bonitinho. Só espero que todo esse rosa não afaste os meninos dessa leitura! Foi uma história que gostei muito e espero que vocês deem uma chance ao livro também. Recomendo!
Adorei!
Mais informações:
Como dizer adeus em robô
Título original: How to say goodbye in robot
Autora: Natalie Standiford
Editora: Galera Record (Site | Twitter | Facebook)
Páginas: 344
Links: Skoob | Goodreads

7 comentários:

  1. Ainda não conhecia o livro e seu livro me animou bastante em relação a ele. Parece uma história interessante e bem diferente. Fiquei curiosa pra entender o "robô" do título. Já entrou para a minha lista de desejados!

    ResponderExcluir
  2. Hey, não sou muito fã de rosa e por isso gostei mto da capa, os pequenos detalhes e a lateral ficam bons assim :3 , primeira vez que ouço falar nesse livro e tua resenha me deixou com muita vontade de ler ;*
    www.moniitorando.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Me apaixonei por essa história depois de ler a sua resenha. Gosto muito de livros assim, que trazem uma trama simples, mas especial. E os personagens são "comuns" e ao mesmo tempo complexos, como todos deveriam ser (na minha opinião).
    Gostei demais e pretendo ler.
    bjs

    ResponderExcluir
  4. Oie Tami!!!
    Ainda não li esse livro, mas fiquei curiosa. Achei interessante o fato da Bea narrar e ainda assim conseguirmos compreender o que se passa na cabeça dos outros personagens. Amo enredo emocionante, leves e singelos! espero poder ler esse livro!

    Beijos!

    http://meudiariojk.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Na primeira vez que li a sinopse, o livro não chamou a minha atenção. Mas depois de ler a sua resenha fiquei curiosa para conhecer a trama e entender o porquê do título.
    Achei a capa bem bonita e os destaques em rosa deram um toque bem legal ao livro.

    ResponderExcluir
  6. É a primeira vez que eu leio a sinopse desse livro, porque eu não o conhecia, mas esse livro parece ser tão gostoso de ler... gosto da temática do livro, envolvendo amizade, amor e tudo mais. E eu achei a capa bem fofinha.

    ResponderExcluir
  7. Eu já havia visto esse livro numa livraria, mas não havia parado para ver sobre o que ele se tratava e confesso que fiquei na dúvida se o leria ou não, já que não fui com a cara da sinopse, rs.

    ResponderExcluir