quinta-feira, fevereiro 27, 2014

Resenha: A base do iceberg

. .


"É estranho abrir os olhos após o nada. A existência, que havia sido suspensa, é acionada pela claridade, e então emergimos do grande vazio em que estávamos mergulhados. Acordar é um ato desesperador." (primeiras linhas, pág. 11)
Quando o autor me ofereceu a oportunidade de conhecer o seu livro, realmente não sabia o que esperar. A sinopse não nos explica muito o tom da história, ou de qual gênero ele era, e na época ainda não haviam resenhas do livro. Contudo resolvi arriscar mesmo assim.

Pedro é um jornalista que tem uma vida normal, mas não aguenta mais seu chefe e seu casamento também anda com problemas. Um dia sua mulher acaba por descobrir uma traição e eles terminam. Com essa reviravolta em sua vida, ele aceita a opinião de um amigo e resolver começar tudo do zero, largando também o emprego. Então aparece a oportunidade de escrever um livro sobre um assunto pelo qual é fascinado, a biografia de Donatelo Veras, líder da Revolução Fraterna. Contudo, como Donatelo optou por se isolar do mundo à medida que ficou mais velho, sua vida hoje é um mistério para todos, e isso deixa Pedro com a sensação de que sua biografia está incompleta. Porém essa busca vai levá-lo por muitas descobertas e situações impensáveis.

A base do iceberg é um livro narrado de forma diferente. Não sei bem como explicar, mas todo o tempo parece que estamos vendo a situação pelo lado de dentro do personagem, e não por fora. E isso não acontece apenas por ser narrado em primeira pessoa, mas também por sempre estarmos muito conectados com o que o personagem está sentindo. Em alguns poucos capítulos temos a narrativa de outros personagens, nos contando algum fato que acabou de acontecer por uma visão completamente diferente. Como os capítulos não tem título ou o nome de quem está narrando, isso chegou para mim de surpresa (pensei até que uma hora tinham errado na digitação e chamado Pedro de "ela"!). Achei uma grata surpresa, ainda mais pelos (mesmos) fatos narrados de forma tão diferente.

Eu, que sou péssima em História, me peguei pesquisando se realmente existia a tal de Revolução Fraterna. Afinal, o autor chega a nos explicar com detalhes como aconteceu a tal revolução, toda a vida do líder Donatelo e... não passa de uma invenção. Achei fantástico a forma como ela foi descrita, e seria muito interessante se algo assim realmente tivesse acontecido.

A diagramação do livro é simples, não encontrei erros, mas sinceramente não gostei muito da capa. A foto escolhida, as cores e como tudo foi distribuído deu a sensação de ser um livro antigo, além de não nos dar dica sobre a história. Uma pena.

A narrativa foi muito bem construída e não me cansou em nenhum momento. Contudo, ao analisar o livro após a leitura, senti que o autor poderia ter desenvolvido melhor a história, ou até mesmo dado mais destaque para alguns acontecimentos. Gostei bastante no geral, apenas acho que o autor poderia ter diminuído um pouco a parte inicial e desenvolvido mais as ações finais - ou simplesmente ter aumentado um pouco o livro. Não faltaram grandes explicações nem nada, só parece que a história acelera um pouco o seu ritmo mais para o final.
"Algo havia mudado em mim. Talvez não soubesse mais identificar com tanta clareza a diferença entre o verdadeiro e o falso, o certo e o errado, o heroico e a vilania. E de repente já não tinha a menor ideia do que fazer." (pág. 311)
Em resumo, gostei. Indico para quem gosta de leituras que não tem tanta ação, mais focadas no desenrolar da vida e dos pensamentos dos personagens. Também é interessante para conhecer esse fato histórico criado pelo autor, visto que no início de vários capítulos vamos conhecendo a biografia (muito bem) escrita por Pedro. 
Entre "Bom" e "Muito bom"
Mais informações:
A base do iceberg
Título original: A base do iceberg
Autor: Flávio Sanso
Editora: Schoba (Site | Twitter | Facebook)
Páginas: 324
Links: Skoob

5 comentários:

  1. Não conhecia o livro, mas gostei bastante da premissa.
    Aliás, ainda não li nenhum livro narrado desta forma, como se o leitor estivesse na mente do personagem, vendo tudo através dos seus olhos.
    Se tiver a chance, acho que leio sim!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o autor nem o livro.
    Confesso que não me interessei muito pela trama do livro, parece um pouco complicado de se entender. Ainda mais com essas narrativas extras em que se demora um pouco para descobrir quem está narrado =/
    No momento não tenho interesse em ler o livro, mas foi interessante saber um pouco sobre ele.

    ResponderExcluir
  3. A capa não me despertou muito interesse e concordo com você em relação a parecer um livro antigo. Mas achei muito criativo da parte do autor inventar um contexto histórico, tem que ter muita imaginação. Fiquei curiosa por um lado, mas meio dividida pelo outro. Vou procurar mais opiniões e resenhas antes de tirar alguma conclusão.

    ResponderExcluir
  4. Ao contrário do que você pensou, eu gostei muito da capa e não achei que parece um livro antigo, mas ok. A premissa do livro é bem interessante. No momento eu não vou pesquisar mais sobre ele, mas gostei bastante da temática (:

    ResponderExcluir
  5. Não me interesse pelo livro, ele não é do tp de livro que costumo ler. Mas acho legal quando os autores criam novos fatos históricos de forma tão criativa e bem descrita.

    ResponderExcluir