quinta-feira, janeiro 03, 2013

Resenha: Desculpa se te chamo de amor

. .


Desculpa se te chamo de amor (Scusa ma ti chiamo amore) 
Autor: Federico Moccia
Editora: Planeta
Páginas: 413
Link no Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/34383
Avaliação: Regular
Um livro que fala sobre um romance entre pessoas com vinte anos de diferença. Uma menina de 17 e um homem de 37. Não é o tipo de romance que costumamos ver, foge dos padrões. Um livro de grande sucesso. Tinha tudo para dar certo - mas não deu.

Nikki é uma menina de 17 anos que está terminando o colégio. Ela é um pouco espevitada, e tem três amigas muito próximas: Olly, Erica e Diletta. Elas se denominam as "Ondas". Olly é a garota que só pensa em homens e sexo. Diletta é a virgem. E Erica... é a sensata, mas é meio apagada no livro. Alex é um homem de 37 anos, recém separado. Ou melhor, sua noiva o deixou sem muita explicação, apenas pedindo para que ele não fosse atrás dela. Ele trabalha em uma agência de publicidade e está com o desafio de fazer uma nova propaganda que seja inovadora, e vencer o seu concorrente direto. Um dia, Nikki sai apressada e Alex está com a cabeça nas nuvens. Eles literalmente se chocam em uma esquina, e a história dos dois começa.
"Noite. Noite encantada. Noite dolorosa. Noite doida, mágica e louca. E ainda assim, noite. Noite que parece não terminar nunca. Noite que às vezes passa depressa demais." (primeiro parágrafo, pág. 9)
E a história do livro é isso. Não sei nem por onde começar. Desde o início, o livro não me prendeu. A escrita do Federico Moccia não me agradou. O autor chega a criar parágrafos de uma página, além de não usar travessões para indicar as falas, mas sim aspas - sem contar que dificilmente indica quem está falando, o que torna muitas vezes difícil saber quem é quem, em especial nas conversas entre as Ondas.

Todos os personagens (todos) me pareceram ter uma personalidade extremamente fraca e falsa. Alex é, supostamente, um workaholic. Porém assim que se encontra com Nikki começa a faltar ao trabalho e ignorar prazos sem motivo aparente, como se acreditasse em tudo o que a menina fala. Nikki, por sua vez, não tem uma personalidade forte. O autor tenta misturar uma impulsividade adolescente (incluindo muitas mentiras para a mãe) com falas e pensamentos extremamente maduros. Aliás, em nenhum momento as conversas entre Alex e Nikki me soaram reais, todas pareceram muito montadas, cheias de frases para passar lições.

O romance dos dois não me convence. Tudo o que achei que eles iriam passar (discussões sobre as idades, preconceito dos amigos, diferenças de maturidade) simplesmente não acontecem. É como se tivéssemos dois personagens da mesma idade namorando. E simplesmente não acontece nada demais nesse romance até as 100 últimas páginas. Ou seja, eles se encontram, se amam eternamente por muitas e muitas páginas antes de ter qualquer tipo de ação. Isso não seria um problema se, como falei anteriormente, o romance convencesse.

Ondas. Passei boa parte do livro me perguntando porque, afinal, as amigas se denominavam assim. Até que em dado momento da história caiu a ficha (mesmo sem explicação direta): Ondas, no italiano (idioma original do livro), é Onde. Ou seja, as iniciais das quatro. Talvez um probleminha de tradução, visto que ficou completamente sem sentido em português. Poderiam ter trocado o nome da Erica para outra coisa, que fechasse com a sigla.

O livro tem alguns outros personagens em histórias completamente paralelas (apenas para se juntarem no final, claro). Confesso que esses outros tem características e dramas muito mais interessantes que os principais, porém são pouco explorados. 

O final. Sem spoilers, mas o final é bom e ruim ao mesmo tempo. Nas últimas 100 páginas tudo acontece. Tudo. Toda a história que deveria estar se desenrolando desde, no mínimo, o meio do livro, começa a ser despejada para o leitor. Por um lado é bom, porque finalmente o livro ganha um pouco de ação e se torna mais interessante. Por outro lado, as histórias ficam muito jogadas. Os acontecimentos acontecem e desacontecem sem que fique plausível as mudanças nos personagens. Muitas mudanças de personalidade simplesmente não dão para engolir. Sem contar aqueles personagens que recebem apenas uma ou duas frases informando que fim levaram.

O livro tem a capa bonita (igual à original) e a diagramação é boa, apesar de no início a letra ter me parecido um pouco pequena. Encontrei um ou dois errinhos relativos às aspas, normalmente fechando parágrafos que não eram mais de falas. E descobri que o livro deu origem a um filme de 2009 chamado "Lição de amor". Assim como no livro, os atores do filme (ao menos na capa) não parecem ter uma diferença de idade tão grande quanto apontado.

É um livro de todo ruim? Não. Depois que acostumamos com a forma de Federico escrever, a narrativa flui melhor. O final dá uma guinada boa, e não chega a deixar gancho para o próximo livro - ou seja, nem precisa se preocupar em ler ou não o segundo. Como já tenho o próximo, hora ou outra encaro ele, e vamos torcer para que seja melhor. Ainda não entendi o que tanta gente amou no livro...
"Talvez seja necessário viajar antes de compreender qual é a meta certa para nós. Talvez a primeira vez seja cada vez que amamos." (pág. 41)
Desculpa se te chamo de amor
#1. Desculpa se te chamo de amor
#2. Desculpa se quero me casar contigo 

~~~~~~~~~~ || ~~~~~~~~~~

Ano novo, mudanças no blog :) Estou estudando um novo formato para as resenhas, e queria saber o que vocês acharam desse, sem a sinopse (e com um resumo meu da história, que já vinha acontecendo) e com a avaliação do livro. Essa resenha sei que ficou grandinha, mas queria explicar bem os meus motivos para não ter me empolgado com o livro.

13 comentários:

  1. Acho muito melhor assim, pois acho que mutias a sinopse é desnecessária, mas como blogueira e leitora acho que a sinopse deve vim com o link do skoob, assim facilita para aa blogueira e para o leitor.

    clicandolivros.blogspot.com
    segue lá.

    ResponderExcluir
  2. Flor, as resenhas no meu blog sao dessa forma e eu realmente prefiro neste formato :D
    Confesso q até estava interessada na estoria, mas vc falou que o final ficou mal desenvolvido, entao já larguei mao ;s
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Gostei do novo formato, está bem explicativa. A sinopse realmente é desnecessária, a sua opinião é mais importante, pois esclarece os pontos principais.

    Bjo!

    ResponderExcluir
  4. Gostei bastante desse novo formato, acho que fica tudo tão mais fácil de entender, é menos formal eu acho, e eu gosto disso.Eu sabia da existência do livro, mas não do filme, até tinha me interessado, mas confesso que agora depois da resenha acho que vou deixar ele para outro momento.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. O formato ficou melhor, concordo. Inclusive também utilizo um formato parecido nas resenhas do meu blog! É mais "simples", as sinopses sempre ocupam muito espaço :/ Haha.

    E quanto ao livro já vi várias resenhas positivas, essa é a mais "negativa" que li. Até hoje nunca me empolguei muito pra ler esse livro, nem quando descobri que foi ele que deu origem ao filme "Lição de Amor". Comigo foi o contrário de você: assisti o filme e só depois descobri o livro, rsrs.
    Mas de qualquer forma não gostei tanto do filme, é meio paradão, não achei muita graça.

    Beeijos, Flá. { http://pequenascoisaas.blogspot.com.br/ }

    ResponderExcluir
  6. Gostei do novo formato ficou mais clara a sua opinião. Apesar de vc não ter gostado tanto do livro quero muito ler esse livro, gostei da história apesar dos pontos negativos q vc citou. Depois de ler o livro dá pra falar com certeza se gostei ou não, mas até agora a expectativa por ele é grande.

    ResponderExcluir
  7. Olá, gostei da tua resenha sim, apenas um pouco longa e meio repetitiva. Gostei de você postar resenha não só 'cinco estrelas' e também 'do último livro da moda.'

    Quanto ao livro em si, acho que ficamos meio 'viciadas' em fantasia 'norte-americana', daí a estranheza talvez.
    E exatamente como você, demorei muito para ler este livro e não me interessei pelo segundo.

    Abraço de Luz e Paz

    ResponderExcluir
  8. Desculpa quem gostou da historia mas eu nao gostei nenhum pouco. A ideia do autor foi boa mas acho ele tivesse desenrola a historia melhor e os personagens fossem mais 'interessantes' eu gostaria da historia. Gostei do novo formato de resenha.

    ResponderExcluir
  9. Eu só leio resenhas positivas dos livros do Moccia, quatro estrela pra cima, então esse 'regular' me fez ver que, pera, talvez não seja tão bom assim - porque normalmente eu não me dou bem com o livro que a maioria ama, acho que sou do contra. Aliás, eu tentei começar a leitura mas travei não lembro porque (acho que foi por causa da narrativa, mas não tenho tanta certeza)

    Ah, e gostei do formato da resenha: fica menor pela falta da sinopse e eu adoro resenhas com notas.

    Gislaine

    ResponderExcluir
  10. Esse é um livro que nunca me interessou muito. As coisas que você destacou sobre a escrita do Federico Moccia me desmotivaram um pouco. Não sabia que o filme Lição de Amor (que eu ainda não assisti mas sempre vejo ele dando sopa na locadora) é baseado nesse livro.
    Comecei a acompanhar o blog mês passado, gostava do outro formato das resenhas, assim como também gosto desse #indecisaodefine

    ResponderExcluir
  11. Ja tinha ouvida falar a respeito dos livros do autor mais nunca li nenhum mais achei bem legal a capa ea historia do livro!

    ResponderExcluir
  12. Bom eu também achei Desculpa se te chamo de amor um livro do tipo regular que poderia melhorar algumas coisinhas, em si a história de amor é boa não muito melosa e realista,mas o texto em si parece poesia o que cansa em alguns capítulos e realmente quando chegamos no capitulo 88 em diante tudo começa a acelerar.O foco é em Alex e Niki, mas as demais histórias paralelas também merecem destaque, achei interessante a dinâmica dos pais da Niki muito legal assim como a descoberta do amor pela Diletta, e a mensagem da importância da amizade por meio das ONDAS.:)Recomendo a leitura para quem estiver disposto a encarar todo aquele drama que é apaixonar-se, estar apaixonado e permanecer apaixonado!

    ResponderExcluir
  13. Eu gostei do filme, foi por causa dele que queria ler o livro.
    Esse lance da aspas, Tami, deve ter sido a editora que nao organizou direito para ca, pois se for ver bem os livros la fora, as falas sao entre aspas (pelo menos os que li).
    Mas te indico o filme, do que me lembro dele (faz uns 3 anos que vi), eles sao um tantinho mais realistas e nao tem as ondas? Explicacao na primeira cena do filme (ou uma das primeiras), sei la, achei o filme bom.
    P.S.: Odeio teclado sem acentos e cedilha

    ResponderExcluir