terça-feira, novembro 13, 2012

Resenha: Garotas de Vidro

. .


Garotas de vidro (Wintergirls)
Autora: Laurie Halse Anderson
Editora: Novo Conceito
Páginas: 272
Link no Skoob:
http://www.skoob.com.br/livro/234296
Lia e Cassie são amigas há anos, ambas congeladas em seus corpos. No entanto, em uma manhã, Lia acorda com a notícia de que Cassie está morta, e as circunstâncias de sua morte ainda são um mistério. Não bastasse isso, Cassie tentara falar com Lia momentos antes, para pedir ajuda. Lia tem de lidar com o pai, que é um renomado escritor, sua madrasta e a mãe, uma cardiologista que vive ocupada, salvando a vida dos outros. Contudo, seu maior tormento é a voz dentro de si mesma, que não a deixa se esquecer de manter o controle, continuar forte e perder mais, sempre perder mais, e pesar menos. Bem menos.
Garotas de vidro é um livro complexo. Não por ser de escrita difícil, mas por tratar de dois temas muito delicados e, infelizmente, comuns: anorexia e bulimia. 

Lia é uma garota que tem problemas com o seu corpo. Ela sempre se achou estranha, feia e nunca magra o suficiente. Sua meta é deixar o seu corpo "limpo" por dentro, sem nada de alimentação que o suje. Tudo o que ela é forçada a comer é controlado pelo número de calorias de cada alimento - que ela já sabe de cor. 
"Então ela me conta tudo, as palavras cuspidas com as migalhas do muffin de frutas vermelhas, as vírgulas mergulhadas em seu café.

Ela diz quatro frases. Não, cinco." (pág. 5, primeiras linhas)
Lia era muito amiga de Cassie, mas as duas andavam um pouco afastadas. O livro inicia quando Lia recebe a notícia de que Cassie foi encontrada morta em um motel, por motivos ainda desconhecidos. O que atormenta Lia é que a amiga tentou ligar para ela antes de morrer, e ela não atendeu. Agora Lia simplesmente não consegue seguir sua vida sem enxergar Cassie em cada lugar que vai.

A personagem vive com o pai, a madrasta e uma irmãzinha em uma casa. O pai normalmente está fora de casa, trabalhando no seu livro. A madrasta vive em função da irmã pequena - que Lia adora. E a mãe biológica de Lia vive em outra casa, porém é uma cirurgiã muito ocupada. Até que ponto esse tipo de afastamento dos filhos pode ajudar a gerar uma doença dessas? Essa é, inevitavelmente, uma das milhares de perguntas que ficam martelando na nossa cabeça enquanto lemos.

"Eu sabia o que ele queria ouvir. Ele não suportava me ver doente. Ninguém suporta. Eles só querem ouvir que você está melhorando, está em recuperação, levando um dia de cada vez. Se você fica emperrada no "doente", então deveria parar de perder o tempo deles e morrer de uma vez." (pág. 83)
O livro é narrado pela personagem Lia e intercala sua vida hoje com várias lembranças de quando era mais nova - em especial lembranças da amizade com Cassie. Entender a cabeça da personagem é algo complicado para alguém que nunca passou por algo parecido porque não conseguimos entender como ela pode dizer "não" para uma comida quando o seu corpo está praticamente gritando que precisa de algo. A narrativa entra nos pensamentos de Lia e aos poucos vamos tentando entender o porque dela ser assim - se é que existe um motivo específico.

Definitivamente é uma leitura para quem gosta de tentar compreender um pouco a cabeça das pessoas. A personagem tem pensamentos complexos, e até suicídas, então não é um livro que aconselho para pessoas muito novas. Gostei bastante do livro porque adoro histórias que realmente mexam comigo e tragam uma reflexão sobre os temas abordados - dois itens de destaque aqui.
"Minha mãe consegue colocar as mãos dentro do peito aberto de estranhos e consertar seus corações quebrados, mas não sabe de que tipo de música eu gosto. Meu pai acha que tenho 11 anos. A mulher dele cumpre suas promessas. Ela me trouxe uma irmã que está me esperando para voltar para casa e brincar. Meu nome é Lia." (pág. 259)

17 comentários:

  1. Quero muito ler esse livro!
    Amei a resenha!
    Beijos
    Rízia - Livroterapias
    livroterapias.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Ganhei esse livro e está na fila. Não é a leitura que pretendo no momento.

    E as férias, curtindo bastante?

    Bjo.

    ResponderExcluir
  3. Oi..

    Eu ganhei várias vezes esse livro,mas até agora não li ele.. Mas, num futuro, muito próximo eu espero, vou ler esse livro.. Amei a sua resenha e só aumentou a minha fome dele e por isso coloquei no alto da minha fila.

    ResponderExcluir
  4. Oi oi!
    Esse livro realmente parece muito bom.
    A resenha tá perfeita! *---*
    Espero conseguir logo =)

    Beijos da Lua =*
    www.tyciahadiresenhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Leitura diferente, mas super atual.
    Eu não sabia qual a temática desse livro, achei que era fantasia ou sobrenatural.
    Obrigada pela sugestão.
    Tudo de bom nas férias.

    ResponderExcluir
  6. Apesar de achar que o livro trata de um tema atual e preocupante e eu achar muito válida a história mencionar isso, não é um tipo de leitura que me atrai e nem tenho o livro. Acho que esse eu não vou ler mesmo.

    ResponderExcluir
  7. Nossa, o livro deve ser mto inquietante e triste. Eu tinha visto a capa desse livro já, e nunca me passou pela cabeça que era desse tema, parece mais do gênero sobrenatural...
    Adorei o blog :)
    Bjs,
    Renata

    http://serieslivroseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Gostei muito da capa. Acho esse um tem bem atual e interessante que afeta bastante pessoas hoje em dia, deve ser uma leitura bem delicada

    ResponderExcluir
  9. Ha um bom tempo estou curiosa para ler esse livro, pelo fato de tratar uma doença que acontece entre adolescente e mulheres, que ficam obsecradas em busca do 'corpo perfeito'

    ResponderExcluir
  10. Ganhei esse livro, mas não o tenho em mãos ainda. Porém, em breve o lerei. O livro, ao que me parece, e a julgar pelos comentários que já li sobre o mesmo, é bem complexo, e eu, como pretendo estudar Psicologia, sempre gostei de livros que retratem a estória e os problemas que os personagens trazem na mesma. Como você disse: "Uma leitura para quem gosta de tentar compreender um pouco a mente das pessoas". Confesso que quero mesmo lê-lo.

    Parabéns pela resenha! Ótima.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Já tinha visto TANTO esse livro por ai, mas nunca tinha parado pra ler nem a sinopse. Nunca imaginei que falava sobre a anorexia e a bulimia, é um assunto mega delicado mesmo.
    Eu acho que pra tudo existe uma justificativa. Como meu professor de filosofia dizia: "todas as pessoas nascem boas, é o mal que as corrompe" e eu concordo, haha. Por trás de tudo há uma razão, um passado, uma forma de viver e de pensar. Cada pessoa tem uma história que só ela sabe exatamente por tudo o que passou - ela e Deus, obviamente.
    Eu acho esse assunto muito forte, não sei se iria conseguir ler um livro assim sabe, não sei se estaria preparada para algo assim, tão chocante. Mas parece ser muito bem desenvolvido!

    Beeijos, Flá. { http://pequenascoisaas.blogspot.com.br/ }

    ResponderExcluir
  12. Eu preciso desse livro, já li várias resenhas e parece ser perfeito^^
    beijos

    ResponderExcluir
  13. Estou lendo ele agora *-*
    Estou adorando!
    dá pra entender direitinho como as pessoas com anorexia pensam !

    ResponderExcluir
  14. Já li bastante resenhas dizendo que o livro tem uma leitura complexa e que não é fácil, bom, só por causa disso já me deixou louca para ler. Estou com ele aqui para ler mas não sei se irei ler esse ano ainda, vou esperar um momento certo até tiver bem para poder ler.

    ResponderExcluir
  15. Esse livro é bem intenso...Um ótimo livro fala sobre assuntos que hoje em dia muitas pessoas ignoram...

    xoxo

    ResponderExcluir
  16. Eu acho muito forte esse livro, ele mexeu muito comigo. Depois de ter lido, eu fiquei um tempão pensando nele ainda. Ele me fez pensar muito nas coisas.
    Ele é maravilhoso. Todos deveriam ler.

    ResponderExcluir
  17. Ainda não li o livro, mas acho formidável que este assunto seja tratado em todos os tipos de mídias possíveis.
    Acho que o livro deve ser realmente denso, complexo e cheio de sentimentos e emoções fortes e contraditórias. E se a autora foi capaz de tratar de tudo isto com sensibilidade, ela já ganha seus pontinhos.
    As pessoas que nunca passaram por algum tipo de distúrbio alimentar podem não compreender os sentimentos da pessoa, mas podem pelo menos entender a doença e ter um pouco mais de respeito.
    bjs

    ResponderExcluir