terça-feira, junho 19, 2012

Resenha: Uma manhã gloriosa

. .


Uma manhã gloriosa (Morning Glory)
Autora: Diana Peterfreund
Editora: Record
Páginas: 272
Link no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/147530
Sinopse: A protagonista de Uma manhã gloriosa, Becky Fuller, trabalha como produtora de um programa de televisão numa emissora local de Nova Jersey. Após ser despedida, sem aparente razão, ela se desespera. Mas boas notícias surgem e ela vê seu sonho de trabalhar em Nova York se tornar realidade, quando aceita um emprego no DaybreakCom péssimos índices de audiência, equipamentos ultrapassados, produtores executivos raramente sobrevivem ao próximo intervalo comercial e uma equipe excêntrica, a nova ocupação promete se transformar num desafio. A única descoberta agradável para Becky é Adam Bennett, seu lindo colega de trabalho. Agora ela terá de salvar sua carreira, sua vida amorosa e, não nos esqueçamos, o  Daybreak.  
Resenha: Normalmente vemos livros sendo adaptados para as telas. Não é sempre que encontramos um livro como Uma manhã gloriosa, que fez o caminho oposto: foi criado a partir de um roteiro. O longa foi escrito por Aline Brosh McKenna, que também escreveu "O diabo veste Prada", e foi protagonizado por Harrison Ford, Rachel McAdams e Diane Keaton. O que esperar disso? Não tinha ideia.  Hoje posso adiantar que o livro é muito engraçado.

"O restaurante parecia projetado para um primeiro encontro. As mesas tinham toalhas brancas, mas o resto da decoração não era excessivamente romântico. O cardápio trazia itens da moda suficientes para indicar que o chefe acompanhava as tendências e o suficiente dos tradicionais pratos prediletos para satisfazer o mais exigente dos clientes. O adesivo do Zagat na porta lhe dava um ar confiável. Parecia elegante e divertido, o que se esperava que refletisse as mesmas características da pessoa que escolhera o lugar - eu. Na realidade, havia apenas um único problema com o restaurante.Estava fechado." (pág. 5 - primeiro parágrafo)

Becky é aquele básico de personagem de chick-lit: em torno de trinta anos, com uma vida amorosa praticamente nula, azarada e, durante um tempo, desempregada. Ela sempre colocou seu emprego acima de tudo - a ponto de ficar olhando o seu BlackBerry a todo instante durante um primeiro encontro. Ela trabalha há anos como produtora de televisão em uma empresa pequena, sonhando em trabalhar em grandes emissoras. Ela crê que sua vida profissional vai super bem, até que chega a notícia: ela está demitida.

Becky consegue um emprego como produtora executiva do Daybreak. Fica muito feliz, afinal ser produtora executiva sempre foi o cargo dos seus sonhos. Só tem um porém: o programa vai de mal a pior e nenhum produtor passou mais de dois meses no cargo. Apesar disso, sua felicidade continua, ainda mais por conhecer Mike Pomeroy (seu ídolo do jornalismo desde criança) e Adam Bennett, um colega de trabalho lindo e simpático. O livro então começa a se desenrolar com Becky tentando fazer de tudo (tudo!) para salvar o seu programa.

A narrativa é muito engraçada. Becky, apesar de ser uma personagem bem comum, é espirituosa. Mike é um rabugento que não entende todas as palhaçadas que são feitas no programa - e ironiza a tietagem de Becky por ele. Collen (apresentadora do programa) é outra que faz tudo para ver o seu programa no ar - e ser a principal sempre. Adam é... bem, é simpático, mas não faz muito pela trama. 

Mike e Collen são duas figuras incomparáveis. Suas discussões e brigas pela "qualidade" do programa rendem boas risadas. As argumentações e implicâncias de Becky com Mike também são ótimas.

"- Porque ele costuma sair com mulheres que são... - Ele estendeu as mãos verticalmente. - E têm... - Suas mãos ondularam em volta do tronco.Caramba, ele era tão ruim de mímica quanto eu.Tombei a cabeça para o lado e tentei disfarçar.- Puxa-puxa com almôndegas?" (pág. 170)
O livro tem a linguagem bem simples e a narrativa flui muito rapidamente. Lia várias páginas por dia sem me dar conta. A história é toda narrada do ponto de vista de Becky, o que nesse caso foi ótimo por ela ser uma boa personagem. É um romance básico, sem muitas novidades, mas é um livro bem gostoso de ler. Não vai trazer lições ou aprendizados, porém é ótimo para passar o tempo.

Fiquei curiosa para ver o filme (que dizem ser igual ao livro, mas com a vantagem de ter Harrison Ford e Diane Keaton representando). Para quem já viu o filme, vi recomendações de não ler o livro pelo mesmo motivo: é igual. Mas acho que o caminho livro -> filme pode ser interessante. Quando ver, conto se vale a pena.

Recomendo: para quem gosta de um chick-lit engraçado e quer um livro básico para passar o tempo.

3 comentários:

  1. Gostei da resenha. Confesso que esses chick-lit não me chamam a atenção, mas... quem sabe neh? Só lendo pra saber mesmo!!!!

    Bjoss^^

    www.facebook.com/euleioevoce

    ResponderExcluir
  2. Eu ja vi o filme , e é engraçado mesmo hahahaha fiquei curiosa pra ler o livro,e fiquei com pesar do Adam não ter uma maior participação :( gostei da sua resenha :)

    ResponderExcluir
  3. Eu ja vi o livro e parece ser muito bom ! Eu adoraria ler esse livro mas ate agora não tive oprtunidade de ler esse livro ! Adorei a sua resenha ! Simples e divertida !

    ResponderExcluir