terça-feira, abril 17, 2012

Resenha: A síndrome de Copérnico

. .


A Síndrome de Copérnico
Autor: Henri Loevenbruck
Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 504
Link no Skoob: http://www.skoob.com.br/livro/165730
Sinopse: Vigo Ravel tem 36 anos e desenvolveu os sintomas da estranha síndrome de Copérnico. Diagnosticado esquizofrênico e amnésico, ele se resignou a aceitar a doença, graças à ajuda de seu psiquiatra e de inúmeros medicamentos. Porém, após o atentado em um importante arranha-céu francês em que ele foi o único sobrevivente, Vigo não tem mais dúvidas - possui um segredo que pode mudar o mundo. E não basta conhecer o segredo, por mais ameaçador que seja. É preciso saber a sua origem. Delírio ou complô? Decidido a desvendar o mistério que o cerca, Vigo se lança numa busca desenfreada. E certas forças sombrias e poderosas desejam impedi-lo, a qualquer preço, de conseguir. Há segredos que valem todos os sacrifícios. Mesmo aqueles da alma. Conservar em seu poder uma verdade que o mundo recusa, mas cuja posse poderia perturbar o futuro da humanidade. Esta certeza tem um nome: A Síndrome de Copérnico. Com mais de um milhão de exemplares vendidos na França, o novo livro de Henri Loevenbruck – autor de O Testamento dos Séculos – dividirá o leitor entre o desejo de avançar o mais rápido até o fim da história e a raiva por ela não ser mais longa. “Tensão permanente, suspense psíquico, diálogos de um grande mestre. Um thriller impecável.” (Virgin)
Resenha: Vigo Ravel é o único sobrevivente de um atentado que destruiu um dos maiores prédios econômicos de Paris. O motivo dele ter sobrevivido foi o fato de ter ouvido algo como uma voz, uma frase sem sentido, que lhe deu uma intuição de urgência para sair do local. O único problema é que Vigo tem uma doença: esquizofrenia paranoide aguda. Teria sido essa voz apenas fruto da sua imaginação ou algo a mais?
"Meu nome é Vigo Ravel, tenho 36 anos e sou esquizofrênico. Ao menos é no que sempre acreditei." (Pág. 3)
Vigo, além de esquizofrênico, sofre de um sério problema de memória: não lembra nada do que aconteceu antes de ter 20 anos de idade. Acompanhamos toda a história através do seu ponto de vista - o que se torna algo bem interessante, visto que nem ele mesmo sabe o que é realidade ou imaginação.

A história é intercalada com as anotações de Vigo na sua caderneta Moleskine (uma cadernetinha simples que virou moda, especialmente lá fora), coisa que ele decide fazer por já não confiar muito na sua memória. Todas as suas indagações, descobertas e até mesmo algumas curiosidades são anotadas ali (acontecimentos do ano, a vida de Nicolau Copérnico, entre outras coisas). Inclusive, suas anotações representam as partes mais filosóficas do livro - o que significa que não é um bom livro para quem não gosta de filosofar.
"Não é porque sou esquizofrênico que não tenho o direito de refletir. Mesmo desordenadamente. Não há perigo na busca do sentido." (Pág.19)

Vigo está constantemente fugindo de algo ou alguém - ou assim acredita - e, devido a isso, o livro tem muita correria e muitas perseguições. Isso o deixa  em um ritmo bem acelerado, até mesmo angustiante. 

Além do personagem principal, a história nos apresenta outros dois que desempenham papel importante (além, claro, de vários mais secundários): Ágnes e o grupo EsFiNgE. O envolvimento de Ágnes na história achei um pouco desnecessário. Ela poderia ter se tornado uma personagem mais interessante se o autor não tivesse forçado algumas situações mais românticas. Já o grupo EsFiNgE achei interessante. É um grupo que luta para revelar algumas verdades que são mascaradas por pessoas de maior porte na sociedade. Gostaria de acreditar que temos alguns grupos assim ainda vivos.

O livro começa bem. Agitado, tenso, e segue assim por um bom tempo. Depois ele perde um pouco essa tensão e, pra mim, se torna um pouco cansativo, repetitivo. Muitas vezes o personagem se debate sobre os mesmos temas, as mesmas inseguranças - e isso cansa. Ali pela página 300 a história voltou a me pegar. Daí para o fim é um mistério - e uma resolução - atrás do outro. Ou seja, gostei da história mas acho que o livro não precisava de tantas páginas - poderia ser algo mais resumido.

O trecho a seguir (que faz parte das anotações de Vigo) achei bem interessante porque ilustrou bem a escolha para o título do livro, coisa que certamente eu nunca teria entendido sem ter a referência do texto.
"A síndrome de Copérnico deve o seu nome à certeza que ele tinha de estar de posse de uma verdade capaz de mudar a ordem do mundo - admitindo que tivesse uma - e, ao mesmo tempo, à recusa dos seus contemporâneos em levá-lo a sério." (Pág.152)
Recomendo: para quem não se importa com a quantidade de páginas (504), gosta de ação, suspense e, claro, filosofia.

7 comentários:

  1. nossa uma coisa que eu nao gosto é filosofia, acho que não é um bom livro pra mim :/ mas a capa eu achei muito legal, bem nunca julgue um livro pela capa não é mesmo?
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é interessantíssimo. Há tempos que um livro não me chama tanto a atenção assim, como esse. Esse livro é realmente do tipo que gosto de ler. Parece ser agitado o livro, com bastante suspense *-*

    “Tensão permanente, suspense psíquico, diálogos de um grande mestre. Um thriller impecável.” (Virgin)

    Isso me fez apaixonar mais pelo livro, hahahaha. Dei uma olhada (já) para comprar, e pretendo comprá-lo. Mas o preço não ajuda em nada hein - R$45,00. Mas quando o preço der uma melhorada, comprarei-o.
    Muito boa sua resenha..
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Livro muuito bom, e resenha melhor ainda.
    Parabéns, abraço.

    ResponderExcluir
  4. Bah, achei esse livro bem interessante, mas é bem capaz de eu abandonar ele naquela parte em que você falou que fica cansativo e repetitivo, e por também ter 504 paginas! Li poucos livros tão longos assim.

    ResponderExcluir
  5. Estou lendo-o.Já no início,ao ler,fiquei tensa.Descreve um personagem perdido no mundo da esquizofrenia e suas incertezas.A linguagem é direta e sem frases filosóficas demasiadas.É praticamente um diário.
    Achei interessantíssimo por enquanto,pois ele vai descrevendo o que está ocorrendo ao redor dele.Fica incerto e mesmo que tudo seja fruto da sua doenca,existe trama e envolvimento nas cenas que ele descreve.Estou amando!

    ResponderExcluir
  6. Comprem sem medo. Um dos melhore livros de suspense que já li!

    ResponderExcluir
  7. Nossa comprei esse livro hoje na Bienal do Livro aqui em Brasilia. Estou ansiosa pra ler depois de ver os comentários de vocês. comprei por 20,00 e me surpriendi muito com o preço que paguei depois de ter visto o preço aqui no site.

    ResponderExcluir