quinta-feira, dezembro 15, 2011

Os problemas dos novos autores

. .


Não sei se eu que comecei a notar esse assunto agora ou se o problema já existia. De qualquer forma, creio que o mundo literário tenha sofrido um "boom" de coisas novas nos últimos tempos: blogs literários, novos autores, editoras, milhares de livros. Nunca vi tanta coisa ao mesmo tempo.

Quando notei essa explosão de novas coisas, comecei a notar a quantidade de novos autores que estavam batalhando para lançar seus livros. Comecei a querer conhecer essas pessoas. Comecei a ver que os problemas enfrentados são um pouco maiores do que imaginava. Criei a seção de entrevista com o autor para conhecer e tentar ajudar um pouquinho eles.

Sempre quis escrever um livro, mas nunca tive imaginação para tanto. Esse é o primeiro empecilho: conseguir imaginar uma história consistente, com tramas e subtramas, que tenha um número razoável de páginas e que seja cativante. Escrever um conto é fácil. Escrever 200 páginas de um livro não. Não conversei com muitos autores ainda, mas a maioria me responde que leva em torno de 2 anos entre imaginar a história e concluir a escrita. 2 anos.

Digamos que você passe por essa parte. Oba, livro pronto! E agora? Além do básico de revisões, diagramação, capa, título... precisa de alguém que invista nisso certo? Então é hora de sair atrás de editoras que estejam dispostas a isso.
Agora, pense você como editora. Chegam dois livros para serem avaliados: um de uma pessoa nova, sem referência nenhuma e um novo livro de um autor já consagrado. Qual você lê primeiro para ver se investe? Qualquer editora pensaria primeiro no autor consagrado. Natural, elas tem que se preocupar com o que vai vender mais, onde investir a propaganda, ter um porto seguro. Imagine ao invés de competir com UM autor consagrado, competir com vários. Seu livro acabou de ir para o final da fila.

Mas digamos que você consiga a atenção deles e gostem da sua história (e escrita). Não preciso me esforçar muito para imaginar a felicidade de um novo autor ao conseguir alguém para publicar seu livro. Certamente passa pela cabeça algumas ideias como uma grande legião de fãs, o seu livro se tornando o novo best-seller no Brasil (e porque não no mundo?), a editora implorando por mais livros, ideias de filme...

Porém, o que tem me preocupado mais não é nenhuma dessas duas primeiras etapas - coisa que já elimina muitos autores. O que tem me preocupado é o depois. 

Chega o momento em que o seu livro vai para as livrarias. Por mais de 40 reais. 

Gente, sinceramente. Será que ninguém nota a dificuldade que vai ser de um livro sair da prateleira, sem indicação nenhuma, custando esse preço? Não sei exatamente que estratégia algumas editoras adotam, mas não pode ser uma estratégia de venda. O seu livro, de um desconhecido, custando 40 reais, vai estar competindo com livros de autores famosos por 9,90. 15 reais. 30 no máximo. Guerra dos Tronos, aquele livro gigantesco e famoso, não custa 30 reais. Eu, como leitora, dificilmente pago mais de 25 reais em um livro - salvo quando ainda tinha algum do Harry Potter para sair ou seja algo que deseje muito.

Creio eu que no momento em que os autores assinam o contrato com a editora já saibam mais ou menos o preço que o livro sairá para venda. Mas e que escolha eles tem? As vezes apenas uma editora responde, e a tua escolha é entre publicar ou não. Qualquer um escolheria publicar.

Meu pedido é para essas editoras, que muitas vezes são pequenas e sei que tem um custo de produção mais alto. Mesmo assim, será que não teria como lançar os livros em um formato mais simples, por exemplo? Capa simples, folhas recicladas, não sei. De alguma forma que os livros não saíssem por mais de 20, 25 reais. Isso ajudaria a todos. Mais gente que cogitaria comprar, mais vendas para o autor e para a editora, mais opções de boas histórias.

Não consigo entender o problema disso.


Um comentário:

  1. Realmente isso é a pura realidade. Estou enfrentando alguns problemas para vender o meu livro, que ficou com um valor realmente alto. Consegui vendê-lo para amigos com facilidade, muitos nem falaram nada, mas alguns comentaram que estava caro. Será que vai ser tão fácil vender assim para desconhecidos? Para alguns não foi, mas há muitas pessoas por aí que realmente não pagam mais que trinta reais em um livro. Eu, particularmente, não tenho dó de gastar meu dinheiro com livros, mas sou completamnete apaixonado por eles. Porém, há muitas pessoas que não gastam, e isso realmente reduz muito o número de vendas e a facilidade com que a história poderia se espalhar se fossem mais baratos.
    Enfim, seria realmente muito bom se as editoras pequenas conseguissem diminuir os valores, ou então que as grandes deixassem de se achar as melhores e investirem também em novos autores nacionais.
    Até por que, J. K. Rowling também começou do zero, e oito editoras recusaram Harry Potter. Acho que os editores não estão muito felizes hoje em dia.

    Gustavo dos Reis.

    ResponderExcluir