quinta-feira, dezembro 08, 2011

É muito estresse

. .


Na mesma semana em que as gaúchas entram em cena por serem consideradas as mais estressadas do Brasil, vejo uma outra pesquisa, dessa vez colocando a  minha profissão como a mais estressante. Ou seja, estresse em dobro para mim, aparentemente.

Não sei qual dos dois é mais real, mas certamente os dois são verdadeiros. As mulheres cada vez se estressam por mais coisas: casa, família, trabalho, cabelo, corpo, unha, olheira, plástica, sapato, dinheiro... confesso que conheço muitas já com várias neuras mesmo antes de ter que juntar tudo isso. Algumas com 13, 14 anos já estão com uma série de neuras sobre corpo, cabelo e tudo mais que conseguirem inventar. Ah, e isso não é culpa da mídia. Mídia sempre existiu e sempre teve seus padrões - e toda essa neura é bem mais recente a isso.

Já o profissional de TI tem um problema simples: (quase) tudo que envolve tecnologia é rápido (e muda rápido), então as pessoas esperam que quem trabalha com isso seja tão rápido quanto - e não importa se isso for impossível. Isso sem contar os casos básicos que, aparentemente, qualquer pessoa que saiba programar também deva saber mexer em impressora, consertar cabos, saber de cor como resolver todos os problemas do Office e qualquer mensagem de erro que apareça no computador - ou onde estão todas as respostas da internet. Essas coisas simples que qualquer pessoa que nunca pisou numa faculdade de informática imagina que a gente aprenda lá - e não tem ideia o que é programação.

Não sei porque hoje em dia temos tanta pressão. Tudo é para ontem. Em tudo temos que ser perfeitos, não existe escolha. Não sei de onde surgiu essa ânsia coletiva pelo agora, por tentar ser que nem uma máquina. Sinceramente não sei. Antigamente as pessoas aparentavam ter bem menos problemas com essas coisas e todo mundo era feliz, mesmo se não conseguisse cuidar do trabalho, família e ter um corpo perfeito.

Sinceramente, já fui bem mais estressada. Ainda sou, mas já fui bem pior (período chamado adolescência, minha mãe, em especial, foi testemunha) Hoje em dia estou aprendendo a relaxar um pouco mais, a saber me desligar (do trabalho ao menos). Nunca tive grandes neuras femininas que muitas amigas tiveram - e definitivamente não é porque sou perfeita, simplesmente nunca me importei tanto com essas coisas. Não entendo porque tanto estresse. Espero continuar sem entender.



0 comentários:

Postar um comentário