segunda-feira, junho 20, 2011

Traição

. .


Fui surpreendida esse final de semana com uma reportagem no jornal sobre redes sociais para arranjar amante. Não acreditei, tive que ler a matéria.

Essas redes estão chegando ao Brasil e já fazem um considerável sucesso lá fora. Basicamente são formadas por pessoas casadas que desejam encontrar outras pessoas casadas para ter uma relação rápida, evitar cobranças e apego da outra parte. As pessoas compartilham poucas informações para não serem identificadas, mas podem ir conversando uns com os outros e ir dividindo mais informações com o tempo.

Já fui bem radical em relação a esse tema, e hoje vou tentando parar de julgar tanto as pessoas. Mesmo assim, tem uma coisa que ainda acho muito... curiosa.

Lendo os comentários de um homem e de uma mulher sobre o porque entraram na rede, o homem alegou que não tinha problemas na sua relação, só queria um "extra". A mulher falava que sentia falta de atenção do marido, não se sentia mais desejada, e a rede proporcionava isso a ela.

Geralmente vejo essas desculpas. O homem dificilmente reclama de algo, só diz que quer uma a mais. A mulher costuma reclamar que o marido ou namorado não dá mais atenção.

Lendo um post no Manual do Cafajeste, vi outra situação comum. O homem trai, mas não admite que a mulher traia. "que homem vai querer mulher que trai?" é a pergunta. Meu primeiro instinto era perguntar "que mulher vai querer homem que trai?", mas como sei que muitas aceitam isso, resolvi ficar quieta.

Um tempo atrás veio a discussão sobre o que as pessoas preferiam, se era uma pessoa fiel ou uma pessoa leal. Não lembro quem foi o filósofo de meia tigela que criou a frase. Ela alegava que preferia uma pessoa leal, já que se essa pessoa fizesse algo de ruim, ela te contaria. O que esqueciam é que uma pessoa fiel não faria algo de ruim. Assim como uma pessoa leal não faria. Misturaram os conceitos e acharam lindo na época.

Enfim, depois de tantos anos, só cheguei a duas conclusões:

1. Tanto os homens quanto as mulheres que traem são inseguros. Inseguros de não conseguirem largar aquela relação "estável" que tem para irem atrás do que realmente querem. Inseguros de, no fim, acabarem sozinhos. Inseguros de que, por estarem apenas com uma pessoa, estejam perdendo o seu tempo. Por mais que aleguem que a relação está completa, não está. Pelo menos algo dentro dessas pessoas não está se sentindo completamente cheio, mesmo que seja a simples vontade, ou instinto (como alegam), de conquistar e ser conquistado.

2. Confiança é a base de um relacionamento. De qualquer relacionamento, mesmo de amigos. Ninguém confia em uma pessoa que diz que te ama e no outro dia vai pra cama com outro. A traição desestabiliza completamente uma relação. Alguns conseguem realmente perdoar e reconstruir a relação, mas são poucos. E aquela "sombra" de dúvida dificilmente sai da pessoa que foi traída. Sobre uma pessoa que trai constantemente não tenho o que comentar, a "ótima" relação que alegam é puramente baseada em mentiras.

É um tema que daria muitos e muitos comentários mais. Com o tempo aprendi uma coisa simples: o mundo está muito cheio de pessoas legais para se perder tempo com alguém que não merece a tua confiança. Prefiro passar para frente.

Ah, antes que esqueça. Sei que muitos e muitos homens traem (muitas mulheres também, mas a porcentagem de homens costuma ser bem maior, ainda). Alguns acham que escondem muito bem. Vivo, literalmente, cercada de amigos homens para perceber que o "esconder muito bem" depende muito da ingenuidade da pessoa que está do lado deles. Alguns são bem óbvios, mas a mulher não percebe. Ou não quer perceber, sei lá. Cada um convive com o que acha que merece, não é?

0 comentários:

Postar um comentário